Alerta para a prevenção da Osteoporose


A osteoporose já é considerada um problema de saúde pública pela Organização Mundial de Saúde (OMS). De acordo com dados da organização a doença atinge mais de 75 milhões de pessoas na Europa, Japão e EUA, causando mais de 2,3 milhões de fraturas anualmente na Europa e EUA. Pelo menos 10 milhões de brasileiros têm a doença e as mulheres são as que mais sofrem. A proporção é de para cada homem, 10 mulheres são diagnosticadas com a enfermidade.

A doença caracteriza-se pela diminuição progressiva da massa óssea que pode levar a um aumento da fragilidade do esqueleto humano e do risco de fraturas.

De acordo com Alfeu C. Accorsi Neto, mestre e doutor em ginecologia pela Escola Paulista de Medicina e representante da SOGESP (Associação de Obstetrícia e Ginecologia de São Paulo), as causas para o problema são variadas e dentre elas estão a alta reabsorção óssea, decorrente da osteoporose pós-menopausa, geralmente apresentada por mulheres a partir dos 50 anos. Outra é a de uma formação óssea diminuída – a osteoporose senil, que é mais frequente em mulheres idosas, a partir dos 70 anos e nos homens a partir dos 65 anos.

“Em qualquer dessas formas, a osteoporose é assintomática por longos períodos. As primeiras manifestações clínicas ocorrem quando já houve perda de 30% a 40% da massa óssea”, destaca o médico.

O especialista ressalta que a massa óssea do ser humano atinge o seu pico aos 35 anos. A partir daí, começa a decrescer em virtude do declínio no processo de reconstituição. “A perda lenta e gradual é considerada normal em ambos os sexos. O fato preocupante para as mulheres é a perda acentuada logo após a menopausa, em função do declínio na produção ovariana de estrogênios, hormônio que tem ação protetora sobre o osso”, aponta.

Outros fatores como o sedentarismo, má alimentação, excesso de cafeína, tabaco, refrigerante e bebidas alcoólicas também são extremamente prejudiciais, pois diminuem a absorção de cálcio pelo organismo. Este é a matéria prima para construção da massa óssea e sua reposição deve ser de 1000mg/dia para mulheres na pré-menopausa e mulheres na pós-menopausa recebendo terapia de reposição hormonal, e de 1500mg/dia para mulheres na pós-menopausa sem terapia de reposição hormonal.

Além da ingestão adequada de cálcio, recomenda-se exposição solar e ingestão de vitamina D, de no mínimo 400 a 800 UI por dia. “As mulheres devem estar atentas à ingestão adequada do mineral e da vitamina D e buscar auxílio médico para a prevenção a partir dos 35 anos. Mas também devem investir em exercícios físicos regulares e pelo menos 15 minutos de banhos de sol diários que ajudam a sintetizar a vitamina. No tratamento, a suplementação pode estar associada a outras drogas e a terapia hormonal como meio de prevenção e tratamento”, reforça o Alfeu.

Prevenção é sempre o melhor remédio

A prevenção à osteoporose pode começar com o consumo de medicamentos como o Osteoprevix D, da Airela, que é um suplemento de cálcio mineral, o qual contém a vitamina D indicada para este tipo de tratamento, com foco na precaução e no auxílio ao tratamento de doenças como estas. O produto é indicado para complementar as necessidades de cálcio do organismo.

“Hábitos de vida saudáveis, alimentação rica em cálcio, atividade esportiva constante, exposição ao sol são as maneiras corretas de melhorar o pico de massa óssea. Uma vez iniciado o processo de envelhecimento, a prevenção da osteoporose torna-se imprescindível, podendo ser feita de duas maneiras: a primeira, passa pela adoção de hábitos de vida saudáveis e, a segunda, pelo uso de medicações específicas como o uso dos Bifosfonatos associados a suplementação de cálcio e vitamina D que são de importância capital”, finaliza Alfeu.

O Osteoprevix D pode ser utilizado sozinho ou associado a outros medicamentos, por adultos e crianças a partir de 7 anos que necessitem de suplementações de acordo com a orientação médica.

Mais sobre a osteoporose
A doença é prevalente na pós-menopausa, fruto da diminuição da densidade do osso. Quando há uma perda de 25% de massa óssea, a osteoporose está instalada. O osso fica fraco, poroso e suscetível a fraturas. Os fatores de risco são genéticos (histórico familiar, escoliose, raça branca, menopausa precoce) e comportamentais (alcoolismo, tabagismo, sedentarismo, baixo peso, insuficiente ingestão de cálcio). Os suplementos de cálcio têm relevante papel na terapia nutricional das mulheres de mais idade.

Sobre a Airela
A Airela atua no mercado farmacêutico com nove marcas de medicamentos OTC’s (dispensam prescrição médica). O novo player se posiciona como uma empresa voltada à prevenção e bem-estar. Com o parque fabril na cidade de Pedras Grandes (SC) e sede corporativa em Valinhos (SP), a companhia conta em seu portfólio inicial com produtos indicados para o combate a falta de apetite, carências de vitaminas e minerais, controle de tosse, mal-estar geral, fadiga e cansaço mental, além de outras indisposições comuns do dia a dia.

Informações para imprensa:
Canal de Comunicação
AngelaGusikuda – angela@canaldecomunicacao.com.br
Vânia Correia – vania@canaldecomunicacao.com.br
Telefones: (19) 3295-3525 / 8171-7552

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.