Adriano diz que faltou em fisioterapias no Corinthians por desmotivação

Indicado por Ronaldo para lhe substituir no Corinthians, Adriano ‘Imperador’ chegou ao clube em 2011 como um possível recomeço na carreira para voltar a brilhar em solo brasileiro. Porém em seu primeiro treino com a equipe, rompeu o tendão de aquiles e teve de ficar de ‘molho’ por pelo menos oito meses.

Em entrevista ao “Conversa com Bial”, da Globo, Adriano ao citar um dos erros de sua carreira foi direto. “Faltar a fisioterapias no Corinthians, na época. Me atrapalhou, no caso.”

Adriano que passou a ter de trabalhar a mente após a morte do pai e sofreu com mais um baque ao ter de ficar sem fazer o que mais gosta e isso lhe fez desanimar para continuar no futebol.

“Ah, não sei (porque faltava). Foi meu primeiro treino no campo e meu tendão de aquiles arrebentou. Eu queria até desistir, queria voltar (ao Rio de Janeiro) ‘Ah, acho que não é para eu continuar mais’. Eu sou um cara muito apegado a minha mãe, a minha família. E ela (minha mãe disse) ‘poxa, meu filho. Tenta’. Aí ficar sete meses naquilo (recuperação), aí querendo ou não tu acaba pensando, acaba desistindo um pouco… então foi isso, eu acabei desanimando, na verdade”, afirmou Adriano.

O Corinthians rescindiu contrato com Adriano no meio de 2012 por justa causa, onde o clube alegou que o jogador faltou em mais de 60 sessões de fisioterapia.

Após a passagem pela cidade de São Paulo, Adriano foi treinar no Flamengo e novamente rompeu o tendão de aquiles.

“Aí sai do Corinthians e fui para o Flamengo… tive que operar de novo, agora pela segunda vez. Aí lá vem de novo mais sete meses. Então isso pesa. Ai depois fui para Curitiba para jogar no Atlético-PR e aí a treinar e jogar legal. Mas você tem de se adaptar de uma maneira diferente daquilo que você já sabe fazer. Então tu tem que tirar o chip que você já sabe a muito tempo e botar um novo, porque eu ainda manco. Então eu tinha que fazer uma jogada, mas diferente do que eu fazia”, disse.

“A minha sorte, porque a minha força é na parte direita, que é onde eu protejo a bola, onde eu giro. A esquerda é de força para chutar, mas minha parte mais forte é a direita. Então tive que tentar me adaptar de uma forma diferente para poder jogar. Isso para mim pesava muito”, finalizou o atacante de 35 anos.

Fonte: http://torcedores.uol.com.br

Se desejar, use os botões abaixo para compartilhar.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.