Adoção de hábitos saudáveis começa com pequenos passos

Manter um estilo de vida saudável não melhora apenas a qualidade de vida, mas beneficia a saúde, de modo geral, retarda e até evita o surgimento de câncer e doenças crônicas, como diabetes e hipertensão. Os benefícios de ter bons hábitos no cotidiano são amplamente divulgados e conhecidos por muitos, mas como conciliar essa meta com a rotina corrida, longas jornadas de trabalho e a vida pessoal? Nesta entrevista, a psicologa Sharon fala sobre metas, hábitos saudáveis e psicologia. Confira: 

É senso comum que é o ser humano precisa se alimentar de forma saudável e praticar exercícios com regularidade. Por que então as pessoas resistem a levar este tipo de vida? A que isso se deve? 

Sharon Feder: Existem diversos fatores que dificultam o engajamento em um estilo de vida saudável. A mudança de comportamento não é simples, é um processo complexo que exige a compreensão do momento em que estamos e nosso nível de motivação perante aquela mudança. Este conceito é conhecido como “estágio de prontidão para mudança” e foi desenvolvido pelos psicólogos americanos, James Prochaska e Carlos Di Clemente (PROCHASKA et al, 1992) como componente central do Modelo Transteórico de Mudança Comportamental (MTT). 

O Modelo Transteórico de Mudança Comportamental é um modelo abrangente o qual integra ideias de diferentes teorias e abordagens de mudança (por isso o nome “Transteórico”) para explicar e predizer como e quando os indivíduos cessam comportamentos de alto risco ou adotam comportamentos saudáveis. Pesquisas sobre o MTT têm mostrado que o processo de mudança envolve a progressão por cinco estágios, progredindo conforme o nível de prontidão e motivação para realizar a mudança: Pré-contemplação (não reconhece a necessidade de mudar), Contemplação (começou a pensar sobre a mudança), Preparação (verbaliza o desejo de mudar e iniciou a elaboração de estratégias), Ação (realizando os primeiros passos em direção à mudança) e Manutenção (já realizou a mudança desejada e conseguiu mantê-la por pelo menos 6 meses). Para conseguir se manter nos estágios avançados, é necessário a identificação de uma motivação intrínseca (interna, que venha de dentro da pessoa) que traga propósito para uma vida saudável.   

O que falta para efetivar na sociedade uma consciência coletiva quanto a hábitos saudáveis? 

Sharon Feder: É importante ter diversas ações para atingir a população como um todo. Estudos demonstram que informação não é suficiente para mudar hábitos – se fossem, ninguém fumaria após olhar a caixa de cigarro.  O foco então deve ser um planejamento que contemple ações marco e micro desde esforços públicos, campanhas educacionais, integração entre os sistemas de saúde, envolvimento da comunidade, famílias, escolas e empresas, atividades dinâmicas, eventos abertos, entre outros. 

Como conciliar essa meta com a rotina corrida, longas jornadas de trabalho e a vida pessoal?

Sharon Feder: As metas precisam ser realistas e atingíveis. Para garantir o sucesso, é necessário um planejamento com pequenos passos. Simples substituições cabem na rotina corrida e já auxiliam no processo de se tornar mais saudável. Por exemplo, invés de subir de elevador, troque pela escada. Na hora que estiver com sede, evite o refrigerante e beba água. Para sobremesa, coma uma fruta invés de um pedaço de bolo. Aos poucos, a auto-eficácia (crença que a pessoa é capaz) irá aumentar e será possível conquistar metas mais complexas.

Em tempos de Instagram e blogueiras “fitness”: como integrar a saúde física e a psicológica? Como saber diferenciar uma vida saudável do padrão de beleza?

Sharon Feder: O saudável é “equilibrado.” A pessoa pode praticar atividade física, medita, etc e de vez em quando come chocolate. Tudo que é extremo não é saudável. Este mundo de redes sociais pode gerar impressões e crenças de um mundo “irreal” pois ninguém é perfeito, magro e feliz todos os dias e momentos da vida. A vida é feita de movimentos e mudanças e o importante deve ser o autocuidado. Não há benefícios em comparações com as figuras das redes sociais. A compreensão que ser saudável é um conceito individualizado faz com que as pessoas olhem menos para os outros e observem mais para si.

As recaídas fazem parte do processo – e é essencial que se esteja preparado para lidar com estes momentos. Como?

Sharon Feder: O que está faltando na equação para o sucesso da mudança de hábitos de saúde é a compreensão de que a recaída não só faz parte do processo de mudança, mas é essencial. De acordo com Prochaska, DiClemente e Norcross o processo de mudança comportamental não é linear e sim espiral, pois uma vez atingida alguma mudança, não significa que a mudança será mantida perpetuamente já que a vida é repleta de movimentos e imprevistos; logo a recaída é um fator constante. Para lidar com estes momentos de “dificuldade” a chave esta na autocompaixão. 

A autocompaixão é importante, pois evita críticas destrutivas a si mesmas, fazer generalizações negativas, e possibilita a saída de um momento de recaída. Passamos a ver nossas falhas como parte normal do processo de mudança.  Os estudos demonstram que (estudos realizados por Kristin Neff, professora de psicologia da Universidade do Texas em Austin) as pessoas que tem autocompaixão e não atingem seus objetivos, percebem que não será o fim do mundo, porque elas não determinam seu próprio valor com base no sucesso.  E seguem em frente para conquistar seus sonhos. 

Qual a principal dificuldade na conscientização das pessoas quanto a hábitos saudáveis?

Sharon Feder: A maior dificuldade é valorização de si. As pessoas, geralmente, são muito competentes para cuidar dos outros – porém, muito ineficientes na hora de cuidar de si. O processo começa no autoconhecimento. Perguntas como: O que me faz feliz? Estou me cuidando hoje? O que eu gostaria de mudar?” são essenciais para iniciar este processo. Outro grande obstáculo é o desejo e expectativa de ter resultados instantâneos. O processo de mudança de hábito é complexo e longo, e então a paciência é essencial para a obtenção de resultados.

Sharon Feder
Psicóloga pela Brown University nos Estados Unidos, Coach de Saúde e Bem-Estar pela Wellcoaches/ACSM e sócia-diretora administrativa da Carevolution Consultoria em Saúde e Bem-Estar.
Site: www.carevolution.com.br
Email: sharon.feder@carevolution.com.br
Telefone: (11) 99188-3705

Coach Sharon Feder





Se desejar, use os botões abaixo para compartilhar.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.