Fisioterapia na sexualidade em Pacientes Raquemedulares

A resposta sexual altera-se após a lesão medular graças à perturbação ou interrupção das vias de comunicação necessárias para isso; as respostas ereção, orgasmo e ejaculação.

A ereção se manifesta inicialmente pelos sentidos, principalmente pelo tátil, que no caso em que nos referimos é a base deste reflexo…

O estimulo ao chegar na glande é enviado pelo nervo peniano em sinapse com o nervo pudendo atingindo o centro eretor…

Este estimulo ascende pela medula para o centro eretor psicogênico que determinará a manutenção da ereção.

Nas lesões medulares há conseqüente redução da prática sexual pela interrupção deste trato e a incerteza da possibilidade do ato  sexual.

As sensações durante o ato sexual decaem após a lesão, em virtude da alteração de sensibilidade que o indivíduo apresenta.

Na mulher ocorre a falta de lubrificação vaginal além da sensibilidade, contudo para redescobrir o prazer, a sensibilidade no órgão genital e a duração da ereção são outros pontos que podem ficar comprometidos, por isso, é importante conhecer o próprio corpo e descobrir novas maneiras de sentir prazer.

A relação sexual não se resume em pênis ou penetração.

Há outras formas de se adaptar a nova realidade sexual.

O sexo está ligado ao conhecimento do outro, à conversa, ao toque, a buscar novas áreas erógenas.

Os (as) pacientes com lesão medulares apresentando lesão completa ou  incompleta tem a capacidade de obter orgasmo e que os indivíduos que têm prática sexual são pacientes sexualmente adaptados as novas situações desta prática…

Para as mulheres com Lesão Medular, estas permanecem férteis e capazes de gerar filhos.

A menstruação geralmente é interrompida logo após a lesão, mas o ciclo menstrual volta ao normal, logo que o choque medular seja instinto em  no máximo um ano.

Depois desse período a mulher pode engravidar desde que realize o acompanhamento médico e se atente a alguns pequenos cuidados, que serão descritos posteriormente.

Para os homens, o problema é o acesso ao esperma.

A produção de sêmen não se altera.

O fato de um homem com lesão medular não interfere na possibilidade de gerar filhos biológicos, eles têm ereções reflexas.

mas não tem orgasmo.

Há não ser que o mesmo seja portador de azooespermia ou oligoespermia.

Se o homem apresentar qualquer destas alterações devem fazer acompanhamento médico inclusive para a sensação do prazer que é o orgasmo.

Pesquisas científicas mostram que existem recursos para tais alterações em relação ao esperma e as sensações de prazer.

Contudo o sexo continua sendo importante para os indivíduos com Lesão Medular, sendo que para o homem, não sentirá o prazer do orgasmo que sentia antes, enquanto que 50% das mulheres têm orgasmo.

Como não tem ereção declarada, fica mais fácil manter o relacionamento sexual.

O paciente deve conversar com suas parceiras e vice-versa para que a vida sexual torna-se um sucesso.

É importante ressaltar para esses pacientes, que a deficiência física por neutralizar a sexualidade, deve-se mostrar o que pode ser feito para o melhor desempenho na atividade sexual, de acordo com a limitação de cada indivíduo.

Porém tudo depende muito do nível da lesão, de compreensão de sua patologia, tanto para os  homens quanto para as mulheres.

O preconceito em relação ao sexo com “cadeirantes” se faz porque não se tem informações que nós Fisioterapeutas que atuamos nesta área de Neurofuncional devemos ter para as primeiras informações aos pacientes e seus familiares.

A deficiência não é um obstáculo para o sexo, mas, muitas vezes, torna-se a gota d’água para o termino relacionamento conjugal….

Em relação à reabilitação física, esta é focada nas capacidades motoras para promoção de um bem estar físico, porém a sexualidade deverá ser abordada para promoção do bem estar emocional com orientações e aconselhamentos sobre a atividade sexual para os pacientes com Lesão Medular e seus parceiros e parceiras respectivamente, com o objetivo de ampliar o conhecimento sobre tal assunto no ponto de vista profissional e paciente, contribuindo para uma reabilitação mais eficaz, buscando melhor qualidade de vida.

Quanto aos cuidados da gestante com Lesão Medular ficam relacionados;

–     O risco de infecção urinária;

–     Dificuldade para alcançar o orgasmo (discutido anteriormente);

–     Realização de exames hormonais;

–     Ossificação Periarticulares

–     Alterações circulatórias, devido os membros inferiores ficarem paralisados desencadeando edemas nos membros inferiores

Por ser “cadeirante” e permanecer sentada, não há riscos para o bebê, pois o mesmo desenvolve-se normalmente.

A “mãe cadeirante” é que precisa de cuidados.

A referida paciente pode ser exemplo de paraplegia espástica que em algum momento pode ser encadeador de contrações musculares no abdômen…

Esta situação reflexa deve ser combatida por manobras inibidora no programa de tratamento prescrita por Fisioterapeutas com a finalidade de que estes movimentos reflexos sejam diminuídos ou mesmo inibidos para uma gestação em caráter de normalidades

Rio de Janeiro 26 de Abril de 2015

Dr. Edson Virginio Rodrigues e Dra. Vânia Cardozo M de Carvalho

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.