A responsabilidade social do Fisioterapeuta

Falar ou escrever sobre responsabilidade social conduz a mente ao que tanto se alardeia nos meios de comunicação, relacionados a empresas ultimamente voltadas para ações favorecedoras do meio ambiente ou que interessem à sociedade. A estrutura midiático-mercadológica financiada com recursos da indústria, do comércio e da área prestadora de serviços, bombardeia o público com mensagens explícitas de empresas cuja aparente preocupação maior é o bem-estar social, e de que elas não visam unicamente o lucro por meio da cooptação de consumidores para seus produtos e serviços. Isso que foi dito traduz-se como política compensatória, pela incapacidade de impedir os malefícios causados pelo capitalismo. Mas isso não é tudo – pior, muito pior – o capitalismo atua por meio da sua mais importante instituição a Corporação, cujo imenso poder é capaz de transformar a história e levar o planeta à destruição.
As raízes dessa política estão no Welfare State que instituiu a partir da Segunda Guerra Mundial, um modelo de práticas reparadoras de danos cujo motor principal seria o Estado como garantidor da universalidade de direitos, bens e serviços.
Em suma, um Estado meramente assistencial que, ao longo dos anos 80 mostrou-se incompetente para se contrapor aos efeitos nefastos do capitalismo sobre as camadas menos favorecidas da população. A partir de então as empresas passaram a ser vistas, paradoxalmente, como a salvaguarda da manutenção do emprego, com o setor privado sobrepujando-se ao estatal. Não só a questão social; como também as possíveis soluções para os problemas ambientais, vieram a constituir o lema das Corporações, com um discurso forte, porém não tão eficaz na prática, principalmente quanto as questões ambientais que atingem escala planetária na atualidade.
O exame preliminar do discurso da responsabilidade social das empresas parte do pressuposto da existência de não incluídos no processo para, em seguida afirmarmos que ter responsabilidade social também é imperativo – no bom sentido – para o sujeito, aqui entendido como o entende a filosofia, ou seja, o ser individual, que se considera como tendo qualidades, e, nesse caso específico, o sujeito investido de uma profissão, o Fisioterapeuta.
Diametralmente oposta, a responsabilidade social das empresas (cujo ideário, hoje, é impulsionado por estratégias de
marketing) a responsabilidade social do Fisioterapeuta está centrada na ética do humano e naquilo que era o viver e o fazer cotidiano dos Terapeutas do Deserto, tão bem descritos por Jean-Yves Leloup no livro Cuidar do Ser, cuja figura central é Fílon de Alexandria, que ensinava “a aprender a ver com clareza”.
É do conhecimento geral, mas não custa acrescentar: no exercício da profissão, cabe ao Fisioterapeuta, segundo preceito legal, privativamente executar métodos e técnicas terapêuticas, compreendendo-se que, “métodos formam um conjunto sistemático de procedimentos orientados para os fins de produção ou aplicação de conhecimentos, e que técnicas são todas as atividades específicas apropriadas aos princípios gerais delineados na metodologia”. Dentro desses princípios legítimos, o Fisioterapeuta procede “a avaliação físico-funcional, estabelece a prescrição fisioterapêutica, a programação do tratamento e o uso dos recursos do arsenal terapêutico à sua disposição, bem como reavalia periodicamente a programação prescrita e, no momento em que a máxima funcionalidade corporal,
compatível com o quadro clínico apresentado, é atingida, estabelece a alta do paciente”.
Sendo o homem objeto da ação do Fisioterapeuta desde a concepção até a morte, ressalta em importância a responsabilidade social aos seus cuidados, responsabilidade esta, que vai da atenção com os recém-nascidos de alto risco – onde ela é incondicional, não havendo de modo algum reciprocidade ou neutralidade ética possível, cujo compromisso maior é com a manutenção da vida e com a qualidade de vida futura – passando pelo atendimento às vítimas do trânsito, aos acidentados do trabalho e às pessoas idosas as suas fragilidades e carências, e de outros indivíduos vítimas de doenças metabólicas e cardiovasculares.
Assim, como reiteradas vezes afirmamos ao termos oportunidade de tornar explícito, é missão do Fisioterapeuta a
responsabilidade de devolver ao convívio social e à força de trabalho grande parcela da população, contribuindo desse modo para o fortalecimento da economia do País, reduzindo custos previdenciários e liberando mais rapidamente as pessoas dos leitos de enfermo.
Contribuição maior, que não é contabilizada em termos de custos financeiros ou operacionais, é a responsabilidade social e primordialmente ética de diminuir o sofrimento humano.

Se desejar, use os botões abaixo para compartilhar.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.