A importância da fisioterapia no tratamento da fibromialgia

A fibromialgia, doença de origem desconhecida e caracterizada por um conjunto de sinais e sintomas onde predominam dores generalizadas por todo o corpo, insônia e sensação de cansaço constante, impacta de forma importante na qualidade de vida de quem convive com ela.

Por ser crônica e ainda sem cura, a fibromialgia requer tratamento multidisciplinar, a partir de médico reumatologista prescrevendo medicações analgésicas e afins, psicólogos atuando com suporte comportamental frente às condições físicas e emocionais debilitantes, e fisioterapia trabalhando com medidas preventivas e de contenção das crises dolorosas.

Especificamente na área da fisioterapia, é possível aplicar um arsenal de técnicas à medida das respostas apresentadas por cada indivíduo, tais como:

– Eletroterapia (ultrassom, laser de baixa intensidade) – que age como analgésico e anti-inflamatório, melhorando a circulação local e deixando a musculatura mais flexível na região dolorosa.

– Acupuntura ou acupuntura auricular – que também atua na analgesia e ainda oferece melhora da circulação energética de todo o organismo, por meio do reequilíbrio dos pontos dolorosos estagnados pela dor e pelo processo inflamatório.

– Pilates – que atua no fortalecimento e alongamento muscular, sendo que o primeiro ajuda na estabilidade articular e o segundo aumenta a flexibilidade, gerando sensação de mais leveza e conforto na movimentação.

Segundo a fisioterapeuta Walkiria Brunetti, é comum que as pessoas com dor ofereçam mais resistência a se movimentar, mas é importante insistir porque o tratamento irá repercutir de forma muito positiva posteriormente. “Eu recebo diversas pessoas com dificuldade em realizar os exercícios, mas à medida que começamos a trabalhar com a mobilidade, algumas vezes até com exercícios pendulares, e seguirmos com os exercícios de resistência, já vemos grande melhora do quadro de dor e de desconforto ao final da sessão”.

A especialista também explica a importância dos exercícios aeróbicos, que produzem no cérebro o hormônio chamado serotonina, responsável por regular a ansiedade e a depressão, melhorar o humor, e regular o sono – bastante comprometido nos fibromiálgicos.

“Para a prevenção das crises é importante que o indivíduo faça exercícios aeróbicos, de força, além de alongamento muscular, sempre com carga de leve para moderada, que deve ser ajustada aos poucos, à medida do aumento da resistência e da capacidade de cada um”, explica a fisioterapeuta.

Para obter bons resultados, é importante manter uma frequência de atividades/sessões de duas a três vezes por semana, sem interrupção, uma vez que ao parar o tratamento fisioterápico, os ganhos se perdem.

Walkiria Brunetti:

Formada em fisioterapia pela PUC-Campinas há 27 anos. Desde então iniciou sua atuação na área de neurologia infantil e adulto, é especializada no método Neuroevolutivo Bobath, bem como no tratamento postural.

É mestre pela Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo, onde sua linha de pesquisa é o desenvolvimento motor dos prematuros. Foi fisioterapeuta dos ambulatórios de prematuros da Santa Casa e do Hospital e Maternidade de Nova Cachoeirinha,

Em 1990 frequentou a Frei Universität de Berlin na Alemanha, onde estagiou nos departamentos de fisioterapia neurológica infantil e adulto.

Publicações: É autora do Capítulo “Reconhecimento Precoce de Alterações Motoras no Prematuro”, do Livro: O PRÉ-TERMO: Morbidade, Mortalidade e Tratamento da Editora Roca em 2003.

Clínica Walkiria Brunetti na web:
Site: https://www.walkiriabrunetti.com.br/
Facebook: https://www.facebook.com/walkiriabrunettifisioterapia/
Youtube: https://www.youtube.com/channel/UCRf5h-vZeQNDM4_dFWzAk-Q

Fonte: https://www.segs.com.br/saude/201462-a-importancia-da-fisioterapia-no-tratamento-da-fibromialgia

Se desejar, use os botões abaixo para compartilhar.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.