A ESPASTICIDADE

RESUMO

A espasticidade talvez seja uma das piores conseqüências de lesões do
motoneurônio superior. Sua teoria já é muita conhecida e discutida, porém o seu
tratamento fisioterápico é muito mais complicado e controverso. Este artigo
visa reunir informações e evidências já publicadas do treinamento resistido
como alternativa para a reabilitação motora da espasticidade.

ABSTRACT

The spasticity maybe is one of worst sequel of upper motoneuron lesions. The
theory is very known and debated, but the treatment is very complicated and
controversus. This article aims meet informations and evidences published of
resistive training like alternative to motor rehabilitation of spasticity.

PALAVRAS-CHAVE: reabilitação; espasticidade; treinamento resistido.

KEY-WORDS: rehabilitation; spasticity; resistive training.

INTRODUÇÃO

Com a evolução das ciências médicas a sobrevida dos pacientes que sofrem algum
tipo de lesão do motoneurônio superior tornou-se muito grande, contudo as
seqüelas associadas ainda estão presentes. Destas a espasticidade merece
destaque.

A espasticidade é uma entidade clínica presente nas lesões piramidais do SNC
(lesão medular, AVC, paralisia cerebral, esclerose múltipla,…), mais
especificamente da via córtico-retículo-bulbo-espinal inibitória [1]. É
definida como hipertonia elástica estando associada à exacerbação dos reflexos
que utilizam o arco miotático [2, 3].

Sem cura, mas com tratamentos que podem atenuá-la, uma certa espasticidade pode
ser útil ao paciente [3, 4]. Dentre os tratamentos disponíveis a fisioterapia é
primordial e indispensável a qualquer reabilitação motora. Muitos são os
recursos fisioterápicos, contudo só um será abordado: treinamento resistido.

O treinamento resistido não tem sido amplamente utilizado na reabilitação dos
pacientes espásticos em razão do receio, não comprovado cientificamente, de
exacerbação da restrição imposta pelo músculo espástico e de reforço de padrões
anormais de movimento [5].

DESENVOLVIMENTO

Manifestações clínicas

A espasticidade é considerada um fenômeno de liberação positiva, causando
aspectos característicos como: maior reflexo de estiramento; postura anormal e
padrões de movimento em massa; co-contração inadequada e incapacidade de
fragmentar padrões e desempenhar movimento isolado de uma articulação; exagero
dos reflexos exteroceptivos dos membros [6, 7]. Pode ser afetada por dor,
fatores ambientais e psicológicos, e contraturas musculares e articulares [1,
4, 8].

Os músculos antigravitacionais são predominantemente afetados, levando a
fraqueza, propensão à fadiga, reduzido recrutamento de unidades motoras,
destreza reduzida. Com a atrofia e o desuso os músculos sofrem encurtamento com
redução no número de sarcômeros e aumento do colágeno [9]. Também tendem a ter
proporções decrescentes de fibras musculares tipo II [10]. A fraqueza muscular
tem sido por si só reconhecida como fator limitante na reabilitação motora e
também há evidências de déficit de força no membro não-afetado no caso de
hemiplégicos. A diminuição da capacidade de realizar AVD’s limita a
independência e a qualidade de vida, levando à baixa auto-estima e suas
conseqüências [5].

Treinamento resistido

Treinamento resistido (TR), exercícios com pesos, exercícios resistidos, ou
outros sinônimos, definem a atividade de contração muscular contra uma força
externa. O uso terapêutico de resistência leva o músculo a mudanças adaptativas
já que a capacidade metabólica é progressivamente sobrecarregada [11],
melhorando a força, potência e resistência à fadiga.

Os benefícios do TR em indivíduos sadios são muito bem estabelecidos, mas em
lesados neurológicos havia controvérsias. Estes exercícios foram
desencorajados pelos discípulos do método Bobath, já que achavam que isso
aumentava a co-contração, espasticidade e reações associadas [12, 13].

Trabalhos recentes têm comprovado que é possível obter ganhos no desempenho
motor e funcional sem alteração da espasticidade. Vários estudos surgiram nos
quais o fortalecimento muscular foi realizado em pacientes com disfunção
neurológica [14].Treinamento isocinético de força foi realizado em adolescentes
com paralisia cerebral submetidos a treinamento musculares excêntricos e
concêntricos; houve ganhos significantes na força muscular e na função motora
grosseira, mas não houve alteração na espasticidade de acordo com a escala
modificada de Ashworth e no clônus de tornozelo na escala de quatro pontos
durante ou após o treino [15].

Teixeira-Salmela et al [5] pesquisaram o treinamento resistido e o
condicionamento físico em 30 hemiplégicos pós-AVC que resultou em ganhos de
torque de até 53,20% nos grupos musculares do membro inferior afetado com média
de 35,85%. Os ganhos da musculatura do joelho afetado foram de 51,06% para os
flexores e 153,40% para os extensores. Não houve diferença significativa para
as medidas de tônus muscular dos flexores de cotovelo e punho, extensores de
joelho e flexores plantares de tornozelo. Em outro estudo foi mostrado que
pacientes hemiplégicos crônicos submetidos a treinamento de força muscular e
condicionamento aeróbico apresentam melhora da velocidade da marcha, maior
capacidade de geração de força, aumento do VO2 máximo, melhora da performance
funcional e da qualidade de vida, sem, entretanto, alterar o tônus [16].

Vinte e quatro indivíduos com paralisia cerebral diplégica espástica foram
submetidos ao TR para o quadríceps femoral; os resultados não mostraram aumento
da espasticidade imediatamente após o exercício quando comparados com crianças
sem paralisia cerebral; isto refuta a premissa de que TR resultaria no aumento
da espasticidade [12]. Estudos demonstraram que os exercícios de fortalecimento
em pacientes com paralisia cerebral aumentavam o rendimento muscular [17,18].
Exercícios isométricos [17], isotônicos [17,19] e isocinéticos [20, 21] e
também aparelhos de musculação [18], foram usados. Estes programas foram feitos
geralmente 3x/semana por períodos de 6-8 semanas. Os benefícios funcionais,
como aumento da performance muscular, foram confirmados usando análise da
marcha [22] e Gross Motor Function Measure [21].

As medidas de força são indicativas do nível funcional após o AVC. Elas têm
sido estabelecidas como determinantes do desempenho da marcha em hemiplégicos.
Não há dúvidas de que o torque produzido pelos extensores do joelho seja
determinante do desempenho da marcha desses indivíduos, correlacionando-se com
variáveis como velocidade, cadência, independência, distância percorrida e
padrão da marcha [23, 24, 25].

Discussão

Os efeitos deletérios da espasticidade já são bem conhecidos. As limitações
físicas se tornam cada vez mais incapacitantes caso não haja intervenção. Todos
os autores pesquisados foram unânimes no uso do treinamento resistido como
recurso na reabilitação de pacientes com espasticidade. A especulação de que o
TR aumentaria a espasticidade não foi comprovado pelos estudos aqui presentes.

Conclusão

O treinamento resistido tem se mostrado uma alternativa eficaz, segura e de
fácil aplicação. Porém como toda conduta deve continuar sendo cada vez mais
pesquisado.

Referências

1. Granero LHCM, Botelho LAA. Espasticidade In: Chamlian TR. Medicina
física e reabilitação. 2ª parte. São Paulo: Escola Paulista de Medicina; 1999.
2. Bordas LB. Neurologia fundamental. 2ª ed. Barcelona: Toray; 1968.
3. Britton TC. Anormalidades do tônus muscular e do movimento In: Stokes
M. Neurologia para fisioterapeutas. São Paulo: Premier; 2000.
4. Anderson TR. Reabilitação de pacientes com derrame cerebral completo
In: Kotte FJ, Lehmann JF. Tratado de medicina física e reabilitação de Krusen.
vol. 1. São Paulo: Manole; 1994.
5. Teixeira-Salmela LF, Augusto ACC, Silva PC, Lima RCM, Goulart F.
Musculação e condicionamento aeróbico em hemiplégicos: impacto no desempenho
motor. Rev Bras Fisioterapia. vol 7, n° 3: 209-215; 2003.
6. Burke D. Spasticity as an adaptation to pyramidal tract injury.
Advences in Neurology 47: 401-423; 1988.
7. Musa IM. The role of afferent input in the reduction of spasticity: an
hypothesis. Physiotherapy 72 (4): 179-182; 1986.
8. Bach-y-Rita P. Brain plasticity as a basis recovery of function in
humans. Neuropsychology 28 (6): 547-554; 1990.
9. Williams PE, Catanese T, Lucey EG, Goldspink G. The importance of
stretch and contractile activity in the prevention of connective tissue
accumulation in muscle. J Anat 158: 109-114; 1988.
10. Dattola R, Girlanda P, Vita G, et al. Muscle rearrangement in patients
with hemiparesis after stroke: an electrophysiological and morphological study.
Eur Neurol 33: 109-114; 1993.
11. Kisner C, Colby LA. Exercícios terapêuticos: fundamentos e técnicas. 2ª
ed. São Paulo: Manole; 1992.
12. Fowler EG, Ho TW, Nwigwe AI, Dorey FJ. The effect of quadriceps femoris
muscle strengthening exercises on spasticity in children with cerebral palsy.
Physical Therapy. vol 81, n° 6; 2001.
13. Brown DA, Kautz SA. Increased workload enhances force output during
pedaling exercise in persons with poststroke hemiplegia. Stroke 29: 598-606;
1998.
14. Engardt M, Knutsoon E, Jonsson M, et al. Dynamic muscle strength
training in stroke patients: effects on knee extension torque,
electromyographic activity, and motor function. Arch Phys Med Rehabil 76: 419-
425; 1995.
15. Machail HE, Kramer JF. Effect of isokinetic strength-training on
functional ability and walking efficiency in adolescents with cerebral palsy.
Dev Med Child Neurol 37: 763-775; 1995.
16. Teixeira-Salmela LF, Oliveira ESG, Santana EGS, Resende GP.
Fortalecimento muscular e condicionamento físico em hemiplégicos. Acta
Fisiatrica 7 (3): 108-118; 2000
17. Healy A. Two methods of weight-training for children with spastic type
of cerebral palsy. Res Q 29: 389-395; 1958.
18. Hovart M. Effects of a progressive resistance training program on an
individual with spastic cerebral palsy. American Corrective Therapy Journal 41:
7-11; 1987.
19. Damiano DL, Vaughan CL, Abel MF. Muscle response to heavy resistance
exercise in children with spastic cerebral palsy. Dev Med Cuild Neurol 37: 731-
739; 1995. Medline.
20. McCubbin JA, Shasby GB. Effects of isokinetic exercise on adolescents
with cerebral palsy. Adapted Phys Act. Quarterly 2: 56-64; 1985.
21. MacPhail HEA, Kramer JF. Effect of isokinetic strength-training on
functional ability and walking efficiency in adolescents with cerebral palsy.
Dev Med Child Neurol 37: 763-775; 1995. Medline.
22. Damiano DL, Kelly LE, Vaughan CL. Effects of quadriceps femoris muscle
strengthening on crouch gait in children with spastic diplegia. Phys Ther 75:
658-671; 1995. Medline.
23. Teixeira-Salmela LF. The impact of a program of muscle strengthening
and physical conditioning on impairment and disability in chronic stroke
subjects In: Teixeira-Salmela LF, Augusto ACC, Silva PC, Lima RCM, Goulart F.
Musculação e condicionamento aeróbico em hemiplégicos: impacto no desempenho
motor. Rev Bras Fisioterapia. vol 7, n° 3: 209-215; 2003.
24. Teixeira-Salmela LF, Olney SJ, Nadeau S, Brouwer B. Muscle
strenghtening and physical conditioning to reduce impairment and disability in
chronic stroke survivors In: Teixeira-Salmela LF, Augusto ACC, Silva PC, Lima
RCM, Goulart F. Musculação e condicionamento aeróbico em hemiplégicos: impacto
no desempenho motor. Rev Bras Fisioterapia. vol 7, n° 3: 209-215; 2003.
25. Nakamura R, Watanabe S, Handa T, Morohashi I. The relationship between
walking speed and muscle strength for knee extension in hemiparetic stroke
patients: a follow-up study In: Teixeira-Salmela LF, Augusto ACC, Silva PC,
Lima RCM, Goulart F. Musculação e condicionamento aeróbico em hemiplégicos:
impacto no desempenho motor. Rev Bras Fisioterapia. vol 7, n° 3: 209-215; 2003.

Se desejar, use os botões abaixo para compartilhar.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.