A EFICÁCIA DA DRENAGEM LINFÁTICA MANUAL NO TRATAMENTO FISIOTERAPÊUTICO DO PÓS-OPERATÓRIO DE LIPOASPIRAÇÃO ABDOMINAL – ESTUDO DE CASO

THE EFFECTIVENESS OF THE MANUAL LYMPHATIC DRAINING IN TREATMENT FISIOTERAPÊUTICO OF POSTOPERATIVE OF ABDOMINAL LIPOASPIRAÇÃO – THE STUDY OF CASE

Fabiana Cavalcante Araújo, Paulo Sergio Jozely de Souza

RESUMO

A drenagem linfática manual é uma técnica específica de massagem com manobras lentas e rítmicas, que auxilia no aumento do transporte da linfa, sendo indicada no pós-operatório imediato de lipoaspiração abdominal, já que o procedimento cirúrgico leva a formação de edema tecidual e a drenagem linfática manual, auxilia em diminuí-lo. Este trabalho tem como objetivo analisar a eficácia da drenagem linfática manual, no pós-operatório imediato de lipoaspiração abdominal. A amostra constituiu-se de um indivíduo do sexo feminino, com faixa etária de trinta anos de idade, em pós-operatório imediato de lipoaspiração abdominal, não fumante e sedentária. Após o procedimento cirúrgico, utilizou cinta compressiva. Na avaliação inicial constatou-se a presença de edema tecidual, hematomas subcutâneos e dor no local lipoaspirado como queixa principal. A paciente foi submetida a dez sessões de drenagem linfática manual, cinco dias por semana, com duração de uma hora e trinta minutos. Ao finalizar o tratamento, observou-se significativa redução do edema tecidual, atenuação dos hematomas subcutâneos e na dor relatada pela paciente, ao término do tratamento em duas semanas a técnica proposta mostrou-se eficaz no tratamento do edema, dos hematomas e da dor presente no pós-operatório de lipoaspiração, obtendo resultados satisfatórios.

Palavras Chaves: Drenagem Linfática, Pós operatório, Lipoaspiração

ABSTRACT

The manual lymphatic draining is one specific technique of massage with slow maneuvers and rhythmic, that assists in the increase of the transport of the lymph, being indicated in postoperative the immediate one of abdomen liposuction, since the surgical procedure takes the tecidual formation of edema and the manual lymphatic draining, it assists in diminishing it. This work had as objective to analyze the effectiveness of the manual lymphatic draining, in postoperative the immediate one of abdomen liposuction. The sample consisted of an individuals of the feminine sex, with age between of thirty years of age, in postoperative immediate of abdomen liposuction, not smoking, sedentary, after the surgical procedure, uses compressive brace. In the initial evaluation it was evidenced tecidual presence of edema, subcutaneous hematomas and pain in the liposucted place as main complaint. The patient was submitted the ten sessions of manual lymphatic draining, five days per week, with duration of one hour and thirty minutes. When finishing the treatment, observed significant reduction of edema tecidual, a ttenuation of the subcutaneous hematomas and in the pain told for the patient, to the ending of the treatment in two weeks, the technique proposal revealed efficient in the treatment of edema, the hematomas and postoperative present pain in of liposuction, getting resulted satisfactory.

Keys Words: Lymphatic draining, After operative, Liposuction

INTRODUÇÃO

Segundo DEL PRIORE (2004), no culto ao corpo cada um é adorado e adorador. O tal adorado é o corpo “perfeito” exibido na mídia, esculpido e modelado a custas de musculação,dietas, cirurgias plásticas, anabolizantes e medicamentos, enquanto os adoradores são os consumidores que investem tempo e dinheiro em busca da perfeição corporal, do corpo “belo”, veiculado e vendido no discurso midiático. Sabe-se que essa padronização e culto corporal presente na contemporaneidade adentraram não apenas nos clubes e academias, mas nos lares, escolas e principalmente no imaginário dos jovens e crianças, homens e mulheres, aprisionando-os, povoando seus sonhos e desejos em terem corpos semelhantes a um determinado modelo exposto e dito como ideal.

A cobrança da sociedade na busca pelo corpo perfeito observa-se que a sina de beleza, na qual milhares de pessoas procuram as cirurgias plásticas de lipoaspiração abdominal neste caso buscando os métodos mais rápidos para conseguir o tal “corpo perfeito”, muitas vezes poucos pacientes buscam compreendem os riscos que uma cirurgia plástica pode acarretar e os cuidados que se deve ter no pós-operatório da cirurgia plástica. A fisioterapia na área de dermato-funcional através de recursos como a drenagem linfática manual atua nas diversas alterações que o corpo sofre pós trauma cirúrgico de lipoaspiração abdominal visando amenizar possíveis edemas (líquidos retidos) e dores das agressões que a cânula de lipoaspiração causa no ato cirúrgico, com isso a fisioterapia vem adquirindo cada vez mais espaço e ampliando seu leque de áreas de atuação neste caso a dermato-funcional que tem como base à prevenção e recuperação física e funcional dos distúrbios dermatológicos e musculoesqueléticos (BORGES, 2006).

Segundo GUIRRO (2002), a cirurgia plástica tem por objetivo a reconstituição de uma parte do corpo humano por razões médicas ou estéticas, sendo divididas em Cirurgia plástica reparadora e cirurgia plástica estética. A cirurgia plástica reparadora tem como objetivo corrigir lesões, deformantes, defeitos congênitos ou adquiridos. É considerada tão necessária quanto qualquer outra intervenção cirúrgica. A cirurgia plástica estética é aquela realizada pelo paciente com o objetivo de realizar melhoras à sua aparência. A pessoa quando se submete a tal intervenção cirúrgica não a faz com intenção ou propósito de obter alguma melhora em seu estado de saúde, mas sim para melhorar algum aspecto físico que não lhe agrada, ou seja, corrigir uma deformidade que ela adquiriu ao nascimento por exemplo, como uma orelha proeminete ou em abano, outro caso como uma mama flácida que pode lhe dificultar um relacionamento afetivo. Situações que não lhe causam prejuizo da ordem funcional, mas sim de ordem psicológica.

A lipoaspiração é uma operação cirúrgica estética que remove gordura de diversos locais do corpo e definiu-se como técnica em 1977, com o uso de cânulas conectadas a aparelhos de alto poder de sucção. Corresponde a uma cirurgia fechada que possibilita o retorno rápido às atividades físicas e sociais (BORGES, 2006; THORNE, 2008).

É uma técnica indicada quando houver depósitos de gordura (lipodistrofia) em diversas áreas do corpo. A área abdominal é a maior atenção. Inicia-se o tratamento pós-operatório precocemente. Cintas elásticas são utilizadas por pelo menos trinta dias, inicialmente, 24 horas por dia (HERLIHY, 2002).

O pós-operatório deve ser observado após o primeiro mês pós-cirúrgico, com tratamento adequado de fisioterapia. No pós-operatório, podemos observar hematomas, equimoses, edema tecidual intenso que cederá entre dezoito a vinte e um dias em um tratamento adequado (HERLIHY, 2002).
As definições dessas alterações são:
-Hematomas: é uma colecção ou acúmulo de sangue num órgão ou tecido, geralmente bem localizado e que pode dever-se a traumatismo, alterações hematológicas ou outras causas e na maioria dos casos a situação reverte espontaneamente;
-Equimoses: é uma infiltração de sangue na malha dos tecidos. Surge com a ruptura de capilares. As que surgem à distância resultam da migração do sangue extravasado ou por aumento da pressão venosa por compressão das veias de drenagem, por exemplo os vasinhos;

-Edema tecidual: refere-se a um acúmulo anormal de líquido no espaço intersticial devido ao desequilíbrio entre a pressão hidrostática constituído de uma solução aquosa de sais e proteínas do plasma sanguineo e sua composição varia conforme a cusa do edema. O edema não é só um sinal de que ocorreu uma lesão, mas também é um fator que contribui para o ciclo de lesão. O edema obstrui os vasos, e os espaços vasculares e celulares, aumentando a pressão intersticial impedindo a chegada de oxigênio para os tecidos, portanto isso causa morte celular, dor e limitação articular. A pressão mecânica exercida pelo líquido nas terminações nervosas, promove o aumento da dor e em decorrência do edema o processo de cicatrização fica por si só mais lento. Dessas alterações podemos destacar o edema tecidual como um dos principais focos de tratamento no pós-operatório de lipoaspiração abdominal, pois dentre todas as alterações, esta é a que gera maior comprometimento funcional (BORGES, 2006).

Pacientes em pós-operatório de cirurgias plásticas apresentam grande ansiedade por resultados, porém como todas as cirurgias existem a probabilidade de seqüelas pós-cirúrgicas (HERLIHY, 2002).

No caso das cirurgias plásticas as possíveis seqüelas dermato-funcional incluem:

-Irregularidades e Depressões: é a retirada excessiva de gordura
no procedimento cirúrgico ocasionando as depressões;
-Aderências e Fibroses: é a formação inadequada do processo de colágeno tecidual, isso em decorrência ao aumento de líquido ou seja da região edemaciada;

A aparência dos tecidos após a intervenção desanima o paciente, que sente muita dor devido a grande quantidade de edema e inflamação, que participam do processo de reparo. Neste caso é necessário que os fisioterapeutas atuantes no pós-operatório de cirurgia plástica se conscientizem que, além da estética, deve haver preocupação com a reabilitação do paciente e com o retorno precoce e dinâmico do mesmo as suas atividades (HERLIHY, 2002).

A cirurgia constitui uma agressão tecidual que, mesmo bem direcionada, pode prejudicar a funcionalidade destes tecidos. O fisioterapeuta deve atuar com todos os recursos disponíveis para minimizar possíveis seqüelas dermato-funcionais, anteriormente comentadas (HERLIHY, 2002).

Os recursos fisioterapêuticos, principalmente drenagem linfática manual, quando bem utilizada, podem diminuir o tempo de repouso, restaurar a funcionabilidade, e acelerar a recuperação do individuo em suas atividades sociais. A drenagem linfática manual é utilizada na tentativa de proporcionar ao paciente uma melhor recuperação, minimizando os quadros de dores e edemas causados pelo trauma cirúrgico da lipoaspiração abdominal. Neste caso fisioterapia atua com o objetivo de normalizar o fluxo de sangue e linfa, reduzindo o quadro edematoso, favorecendo a recuperação dos tecidos traumatizados pela técnica cirúrgica (BORGES, 2006).

Na drenagem linfática, o sistema linfático trabalha em harmonia com o sistema vascular, sendo constituído por um conjunto de capilares linfáticos, vaso coletor e tronco linfático. Linfonodos que servem como filtros do líquido coletado pelos vasos. Órgãos linfóides que incluem tonsilas, baço e timo encarregados de recolher na intimidade dos tecidos, o líquido intersticial e reconduzi-lo ao sistema vascular sanguíneo. Esses vasos linfáticos possuem uma grande capacidade de reparação e formação de vasos novos após danos (HERLIHY, 2002).
Os vasos linfáticos também possuem válvulas de mão única que propulsionam a linfa e impedem seu fluxo retrógrado (HERLIHY, 2002).

Quando ocorre uma resposta inflamatória, o sistema vascular sanguíneo é o primeiro a se alterar. Essa alteração será caracterizada por uma vasodilatação e um aumento da permeabilidade da parede capilar à água, as proteínas plasmáticas, as células e aos minerais. O sistema vascular linfático também exibirá alterações, para compensar as respostas do sistema sanguíneo, o que se mostra através do linfedema. Cabe frisar que o fator determinante do linfedema é a insuficiência de drenagem, causada por um obstáculo ao nível dos coletores ou dos gânglios linfáticos, seja de natureza inflamatória, tumoral ou parasitária. O linfedema pode pronunciar-se após lesões teciduais locais que alterem a estrutura ou o funcionamento dos vasos linfáticos (HERLIHY, 2002).

Apesar de o sistema vascular sangüíneo ser aparentemente o mais importante numa reação inflamatória, o sistema linfático é quem realmente tentará que remover o excesso de exsudado rico em proteínas do interstício (HERLIHY, 2002).

Nos traumas mecânicos, como na cirurgia plástica de lipoaspiração abdominal, pode haver alteração estrutural ou funcional dos vasos linfáticos, causados por laceração ou compressão (hematoma, fibrose, fatores já mencionados anteriormente). Essa obstrução mecânica modificará substancialmente o equilíbrio das tensões, resultando inevitavelmente em edema (BORGES, 2006 e THORNE, 2008).

A atuação da fisioterapia dermato-funcional cresce a cada dia e tende a expandir cada vez mais, portanto com tantas informações e recursos é de suma importância a investigação dos recursos fisioterapêuticos utilizados em pós-operatório de lipoaspiração abdominal, quando e porque da sua importância em utilizá-los (GUIRRO, 2004).

MATERIAIS E MÉTODOS

Esta pesquisa formou-se por uma mulher de trinta anos de idade em pós-operatório imediato de lipoaspiração abdominal, que foi atendida em Clínica Dermatológica situada em São Bernardo do Campo / SP, no período de duas semanas durante o mês de maio de 2009.

Para inclusão na amostra, foram utilizados os seguintes critérios: paciente do gênero feminino, com idade entre vinte e trinta anos, em pós-operatório imediato (menor que dez dias) de lipoaspiração de abdome e com liberação médica.

Para coleta de dados, foi utilizada uma ficha de avaliação preparada pelo investigador, contendo dados de identificação da paciente e perimetria da área a ser realizada a drenagem linfática manual, com o intuito de mensurar os efeitos do tratamento na reavaliação. Para mensurar de forma objetiva os resultados, foram utilizados os seguintes instrumentos: fita métrica, para perimetria na avaliação e reavaliação, balança digital para verificação de peso e escala EVA para parâmetros de dor durante todo o período de tratamento para avaliar a evolução diária.Na coleta de dados, informou-se ao paciente sobre a realização da pesquisa, salientando seus objetivos e benefícios para o mesmo, e lhe foi entregue um termo de consentimento livre e esclarecido para ser assinado.

No 1º atendimento realizou-se uma avaliação da paciente, na qual se verificou a presença de complicações no pós-operatório, como edema teciduais, hematomas subcutâneos e dor no local lipoaspirado, onde seria realizado o procedimento de drenagem linfática manual.
Após a avaliação, foi dado início ao tratamento fisioterapêutico com a utilização do método de drenagem linfática manual, anteriormente citado, por dez sessões, sendo estas cinco vezes semanais com duração de uma hora e trinta minutos.

As dez sessões mantiveram-se iguais durante todo o tratamento. Foi realizado o seguinte protocolo:

Paciente em decúbito dorsal sobre a maca. Realizou-se bombeamento para abertura dos gânglios da cadeia inguinal, região axilar, supra e infraclavicular. Durante a sessão, tudo o que foi mobilizado acima da cicatriz umbilical foi drenado para a região axilar, e abaixo, foi direcionado para a região inguinal. Foram realizados movimentos de deslizamento superficial sobre o abdome, bracelete, deslizamento com bombeamento, amassamento em todo abdome e deslizamento para finalizar a sessão, levando a linfa até os gânglios após cada movimento. Todos os movimentos foram realizados de modo lento e rítmico.

Ao término das dez sessões previstas, refez-se a avaliação, utilizando a ficha de avaliação, na qual foram coletados os dados para expor em forma de resultados o tratamento fisioterapêutico aplicado.

RESULTADOS

A paciente participante da pesquisa, apresentava-se em pós-operatório imediato de lipoaspiração abdominal, após cinco dias do procedimento cirúrgico, mediante liberação médica.Tinham como queixa principal dor local e edema tecidual no local lipoaspirado. Não utilizava medicamentos para alívio da dor, nem diuréticos, somente o uso da cinta compressiva no pós-operatório. Apresentava edema tecidual em todo o abdome, principalmente abaixo da cicatriz umbilical, hematomas subcutâneos em regiões difusas do abdome, dor a palpação na região dos pontos e onde apresentavam mais edema. A paciente não apresentava fibrose à palpação na a avaliação e na reavaliação. Foram realizadas dez sessões de drenagem linfática manual, sendo estes cinco vezes por semana, com duração de uma hora e trinta minutos de tratamento fisioterapêutico do pós-operatório de lipoaspiração abdominal. Foi realizado perimetria da área abdominal antes, durante e após as dez sessões.Os resultados perimétricos da paciente estão descritos no quadro1:

Os resultados da avaliação da dor da paciente descrita na EVA, antes, durante e após o tratamento fisioterapêutico utilizando a DLM.


A paciente respondeu a escala de satisfação após as dez sessões de drenagem linfática manual, e declarou estar muito satisfeita com o resultado obtido.

DISCUSSÃO

A fisioterapia dermato-funcional vem atuando de forma à auxiliar na busca pelo corpo desejado, ampliando cada dia mais a sua aplicabilidade, mostrando resultados.

Segundo DEL PRIORE (2004), no culto ao corpo cada um é adorado e adorador. O tal adorado é o corpo “perfeito” exibido na mídia, esculpido e modelado a custas de musculação,dietas, cirurgias plásticas, anabolizantes e medicamentos, enquanto os adoradores são os consumidores que investem tempo e dinheiro em busca da perfeição corporal, do corpo “belo”, veiculado e vendido no discurso midiático.

HERLIHY (2002), o pós-operatório deve ser observado após o primeiro mês pós-cirúrgico, com tratamento adequado de fisioterapia e os sintomas do pós-operatório de cirurgias plásticas podem ser reduzidos através de sessões de drenagem linfática manual.

BORGES (2006), a drenagem linfática manual é indispensável no pós-operatório de cirurgias plásticas, e que se deve iniciar o mais precoce possível, para ajudar na penetração do líquido excedente nos capilares sangüíneos e linfáticos intactos da região adjacente à lesão. Observa-se rapidamente a diminuição do edema e do hematoma, bem como a redução da dor, e evitando a fibrose na região lipoaspirada. A paciente não apresentou fibrose à palpação na avaliação, nem na reavaliação.

BORGES (2006) e THORNE (2008), relatam que a utilização da DLM diminui a probabilidade de fibrose, por evitar a estase linfática. Assim pode-se afirmar que a DLM mostra-se eficaz na prevenção de fibroses no pós-operatório imediato de lipoaspiração de abdome. Quanto ao nível de satisfação da paciente, a mesma foi questionada após ter recebido as dez sessões de DLM em relação ao tratamento recebido.

A paciente apresentava dor à palpação na região dos pontos e no local onde havia maior presença de edema, sendo que após as dez sessões de DLM, houve diminuição desses, observados através da perimetria.

GUIRRO (2004), relata que a fisioterapia dermato-funcional cresce a cada dia e tende a expandir cada vez mais, portanto com tantas informações e recursos é de suma importância a investigação dos recursos fisioterapêuticos utilizados em pós-operatório de lipoaspiração abdominal. A satisfação da paciente com os resultados obtidos demonstra que a DLM e a fisioterapia dermatofuncional auxiliaram na recuperação do pós-operatório, mostrando ser uma área fundamentada em resultados concretos, onde se busca melhorar a aparência estética e a função, principalmente pela melhora da dor obtida com o tratamento.

CONCLUSÃO

A pesquisa presente procurou verificar os resultados da drenagem linfática manual no pós-operatório imediato de lipoaspiração no abdome, visto que após o procedimento cirúrgico a queixa quanto à presença de edema, dor e hematomas é freqüente nas pacientes. Na avaliação realizada no início do tratamento, a paciente que fez parte do estudo apresentava edema por todo o abdome, principalmente abaixo da cicatriz umbilical, hematoma em regiões difusas do abdome, dor a palpação na região dos pontos e onde apresentavam mais edema. A paciente não apresentou fibrose à palpação na avaliação. Após as dez sessões de DLM no abdome, mostrou-se que houve diminuição significativa do edema tecidual e dos hematomas subcutâneos, assim como redução da dor no local lipoaspirado.

A paciente respondeu a escala de satisfação após as dez sessões de drenagem linfática manual, e declarou estar muito satisfeita com o resultado obtido tornando assim, a drenagem linfática manual no pós-operatório de lipoaspiração abdominal um método eficaz na redução do edema tecidual, na atenuação dos hematomas subcutâneos e na dor local em região lipoaspirada.

Atualmente, para se alcançar um padrão de beleza padronizado pela mídia, do corpo belo e magro, as mulheres, principalmente, submetem-se a exaustivos sacrifícios em busca desse corpo considerado perfeito. Muitas vezes para manter essa boa aparência estética, utilizam de medicamentos, dietas, exercícios e até intervenções cirúrgicas nessa busca. A fisioterapia dermato-funcional vem atuando de forma a auxiliar nessa busca pelo corpo desejado, ampliando cada dia mais a sua aplicabilidade, mostrando resultados.

REFERÊNCIAS

1. BORGES, S.F. Modalidades terapêuticas nas disfunções estéticas. São Paulo: Ed. Phorte, 2006.

2. DEL PRIORE, Mary. Corpo a corpo com as mulheres: as transformações do corpo feminino no Brasil. IN: Corpos e subjetividade em exercício interdisciplinar. STREY e ABEDA (orgs.) Porto Alegre: EDIPUCRS, 2004.

3. GUIRRO, E.C.; GUIRRO, R.R. Fisioterapia Dermato-Funcional. São Paulo: 3Ed. Manole, 2004.

4. HERLIHY, B.; MAEBIUS, K.N. Anatomia e fisiologia do corpo humano saudável e enfermo. São Paulo: Ed. Manole, 2002.

5. THORNE, C.H.; BEASLEY, R.W. Cirurgia Plástica. São Paulo: Ed. Guanabara Koogan, 2008.

Se desejar, use os botões abaixo para compartilhar.

2 comentários em “A EFICÁCIA DA DRENAGEM LINFÁTICA MANUAL NO TRATAMENTO FISIOTERAPÊUTICO DO PÓS-OPERATÓRIO DE LIPOASPIRAÇÃO ABDOMINAL – ESTUDO DE CASO”

  1. Marcio Pereira

    Gostaria de utilizar esse artigo em um TCC mas não consigo a referência bibliográfica que é exigido. se for possível pode me enviar?
    Grato Marcio Pereira.

  2. Rosilene Campos

    Por favor ,poderiam me enviar esse artigo em PDF,pois gostei muito dele e gostaria de usá-lo no meu TCC,há gostaria das referencias também, obrigada!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.