A ACUPUNTURA NO TRATAMENTO DO LÍQUEN PLANO

RESUMO
O Líquen Plano é uma doença auto-imune, sem causa descoberta e nem cura, desconfiam que sua causa venha do estresse. Essa doença atinge hoje a aproximadamente 2,2% da população brasileira e a área médica vem pesquisando, onde, descobrindo a causa venham a elaboram um tratamento efetivo, pois hoje em dia só é tratado os sintomas da doença.
O trabalho traz um tratamento inovador nesta patologia, onde foi apanhado 37 pessoas para serem tratados com somente Acupuntura Auricular.
Trazemos também um pouco da Filosofia Chinesa, base da Acupuntura, para o entendimento da técnica a ser utilizada.
Chegamos a uma conclusão que com a Acupuntura, a maioria dos pacientes portadores do Líquen Plano chegaram a cura de sua doença, sendo assim um fato inédito na medicina brasileira.

Palavra chave: Líquen Plano, Acupuntura, tratamento.

ABSTRACT
The Plane Lichen is a disease solemnity-immune, causeless discovery and nor it cures, they distrust that its cause comes from the stress. That disease reaches the today approximately 2,2% of the Brazilian population and the medical area comes researching, where, discovering the cause comes they elaborate it an effective treatment, because nowadays it is only treated the symptoms of the disease.
The work brings an innovative treatment in this pathology, where it was caught 37 people for they be treated with only Acupuntura Auricular.
We also bring a little of the Chinese Philosophy, base of the Acupuncture, for the understanding of the technique to be used.
We reached a conclusion that with the Acupuncture, most of the patient carriers of the Plane Lichen arrived the cure of its disease, being like this an unpublished fact in the Brazilian medicine.

Key word: Plane lichen, Acupuncture, treatment.

INTRODUÇÃO
O presente trabalho tem por objetivo demonstrar a aplicação da Acupuntura dentro da Fisioterapia.
Inicialmente será apresentado uma breve revisão bibliográfica e um histórico desta técnica, desde a sua provável criação até a sua efetiva aceitação no âmbito da saúde no Brasil, os métodos passíveis de serem aplicados, a utilização da Acupuntura como importante recurso terapêutico para o tratamento e a cura de incontáveis doenças, e, por fim, os aspectos legais que levaram a reconhecer a “nova” técnica como recurso importante no tratamento de diversas moléstias.

A ACUPUNTURA E A FILOSOFIA CHINESA
Quanto mais o corpo é submetido a condições da vida moderna, mais se sente a necessidade de tratar e preservar o capital corporal. As inúmeras técnicas que são propostas para encontrar a harmonia traduzem esta necessidade fundamental, pois o equilíbrio corporal depende de uma boa sustentação (Souchard, 1992). Apesar dos grandes avanços e comodidades alcançados pela nossa civilização, questiona-se por quê inúmeras pessoas têm problemas de estresse.
Segundo Yamamura (2001), “a acupuntura, o recurso terapêutico mais conhecido da Medicina Chinesa no ocidente, muitas vezes confundida com a mesma, é o meio pelo qual, através da inserção de agulhas, faz-se à introdução, a mobilização, a circulação e o desbloqueio da Energia, além de retirada das Energias perversas, promovendo a harmonização, o fortalecimento dos órgãos, das vísceras e do corpo. A compreensão da concepção energética dos Canais de Energia, dos pontos de Acupuntura e suas funções são fundamentais para a utilização desta técnica na prevenção e interrupção de um processo de adoecimento”.
Apesar de ser uma ciência muito antiga, a acupuntura continua sendo um campo aberto a estudos, o que muito tem contribuído para uma maior compreensão dos seus mecanismos de atuação. As recentes pesquisas demonstraram que as suas antigas fórmulas e princípios ainda não foram superados, sendo assim, aqueles que a praticam devem compreender sua importância, estudar profundamente seus ensinamentos e diretrizes, em busca de um perfeito equilíbrio do organismo e as energias (Wen, 1985).
A acupuntura vem sendo cada vez mais usada no Brasil, principalmente nos grandes centros, apesar de haver uma certa precaução e/ou receio para com os profissionais desta área. Há todo um mito em relação à acupuntura, talvez porque ainda no Brasil, a maior parte dos acupunturistas é constituída de leigos, sem cursos especializados. Mas com finalidade terapêutica e orientada, tem sua indicação precisa. Várias clínicas de fisioterapia têm em suas equipes acupunturistas realizando tratamentos com excelentes resultados.
Por ser a acupuntura uma técnica complementar, objetiva-se realizar uma revisão do uso da acupuntura para amenizar problemas do Líquen Plano, restabelecendo o equilíbrio energético dos pacientes.
Segundo Wen (1985), a acupuntura é o conjunto de conhecimentos teórico-empíricos da medicina tradicional chinesa que visa à terapia e à cura das doenças através da aplicação de agulhas e de várias outras técnicas, sendo seus conhecimentos transmitidos de geração em geração desde o seu surgimento a milhares de anos na China. De acordo com a medicina chinesa, o tratamento pela acupuntura tem como objetivo estabelecer a normalização das estruturas doentes do nosso corpo, em busca da harmonização de nossas energias com técnicas e procedimentos, estimulando pontos reflexos dos canais de energia – meridianos e outros pontos. Para a teoria da acupuntura, todas as estruturas do organismo se encontram originalmente em equilíbrio pela atuação das energias Yin (negativas) e Yang (positivas), e se ambas estiverem em perfeita harmonia, ter-se-á saúde, caso contrário, o desequilíbrio provocará a doença.
Para Pradipto (1986) a medicina ocidental prioriza o controle dos sintomas, principalmente, pelo uso de drogas. Trata a doença, disseca, divide, analisa para chegar a uma conclusão. Já na medicina oriental a saúde representa o equilíbrio entre as energias do homem. Há uma preocupação em harmonizar a energia vital do paciente; trata o doente/homem como ser integral. Este enfoque é caracterizado em inglês pelo termo holistic medicine – medicina holística. Isto não quer dizer que uma seja melhor que a outra, pois seus enfoques são diferentes e ambas têm suas limitações, sendo necessário conhecê-las para procurar a terapia mais adequada para cada caso em particular.
A acupuntura tornou-se popular, tem atingido novos níveis de conhecimentos científicos, com uma eficácia terapêutica cada vez mais adotada no mundo moderno. Possui inúmeras possibilidades de aplicação, sendo possível sua aplicação em qualquer tipo de patologia, independente da faixa etária e do sexo, podendo ser associada a outras modalidades terapêuticas.
A medicina chinesa é um vasto campo de conhecimento, com concepções voltadas muito mais ao estudo dos fatores causadores da doença e das formas de prevenção, na qual reside toda a essência de sua filosofia. Enfatiza os fenômenos precursores das alterações funcionais e orgânicas que provocam o aparecimento de sintomas, onde o fator causal destes processos nada mais é do que o desequilíbrio da energia interna, ocasionado pelo meio ambiente, origem externa, ou pela alimentação inadequada, emoções, fadigas, de origem interna. Para o pensamento chinês, “esperar ter sede para cavar um poço, pode ser muito tarde” (Yamamura, 2001).
O maior potencial das técnicas orientais está em tornar o paciente consciente de seu próprio corpo, o qual armazena emoções, sentidos, reflete o estado mental. Está inscrito no corpo, entre os músculos e nervos, um pouco do passado e o presente. De acordo com Pradipto (1986) o corpo não mente e também não esquece.
Segundo Yamamura, 2001, A acupuntura foi idealizada dentro do contexto global da filosofia do Tao e das concepções filosóficas e fisiológicas que nortearam a medicina chinesa. A concepção dos canais de energia e dos pontos de acupuntura, o diagnóstico e o tratamento baseiam-se nos preceitos do Yang e do Yin, dos cinco elementos, da energia (Qi) e do sangue.
Visa restabelecer a circulação da energia ao nível dos canais de energia, dos órgãos e das vísceras, levando o corpo a uma perfeita harmonia de energia e de matéria (Yamamura, 2001).
Os canais de energia constituem um meio de ligação entre o interior e o exterior, e do exterior para o interior, transmitindo e recebendo diversas formas de energia destes meios. Os canais de energia principais são oriundos dos cinco órgãos (Yin) e o circulação-sexo e das seis vísceras (Yang), apresentando uma parte profunda que corresponde ao trajeto dentro das cavidades torácica e abdominal, onde se promovem conexões energéticas internas entre órgãos e vísceras acoplados. Após emergirem destas cavidades, percorrem por entre os ossos e os músculos, do tronco e dos membros, até atingir as extremidades dos dedos da mão e do pé. Estes canais de energia (meridianos), estão intimamente relacionados aos cinco elementos: madeira, fogo, terra, metal e água, que correspondem aos cinco movimentos que geram a vida, com duas horas por dia de concentração máxima de energia.
Além destes, também temos os canais de energia curiosos ou maravilhosos, que são em número de oito; canais de energia divergentes ou distintos; canais de energia de conexão – Luo ou Lo; e os canais de energia tendino-musculares(Yamamura, 2001).
Com todos esses dados podemos ter uma base de como será o tratamento realizado nos pacientes portadores da doença Líquen Plano.

CONCEITO DE LÍQUEN PLANO
Doença dermatológica crônica relativamente comum, que frequentemente afeta a mucosa oral. Seu nome foi dado em 1869 pelo médico Britânico Erasmus Wilson, que viu associação entre a doença e os “liquens” plantas primitivas, compostas de algas simbióticas e fungos. Termo planus é do latim “plano, chato”. Wilson provavelmente pensou que as lesões eram semelhantes aos liquens crescendo nas rochas.
Apesar do termo líquen plano sugerir uma condição chata e fungica, Neville 1998, indica que se trata de um distúrbio mucocutâneo imunologicamente mediado.
É uma lesão branca que atinge com maior freqüência somente a mucosa bucal, tendo como lesão fundamental placas brancas localizadas, com variação de formato. Seu aspecto clínico é multiforme, quando comparado com outras lesões orais.
Segundo Boraks, 1999, Neville, 1998 e Sonis 1995, a causa do Líquen Plano não está esclarecida, tendo sido implicado ao estresse, reações medicamentosas e disfunção imunológica. O líquen pode ocorrer em episódios passageiros, ou tornar-se crônico.
Zunstein 2004, explica pela Medicina Chinesa, que quando há um grau elevado de estresse, a energia do corpo irá se deslocar em direção do Coração (centro das emoções) e Cérebro (centro da razão), deixando assim os outros órgãos e vísceras do corpo desprovido de energia e consequentemente de imunidade.

CARACTERÍSTICAS CLÍNICAS
A maioria dos pacientes com líquen plano é constituída de adultos de meia-idade. É raro crianças serem afetadas. As mulheres predominam no líquen plano oral na proporção de 3:2 em relação aos homens. Segundo Neville 1998, 1% da população pode ter líquen plano cutâneo e 0,1 e 2,2% o líquen plano oral.
As lesões na pele do líquen plano tem sido classificadas como papulosas poligonais pruríticas e purpúreas. Elas normalmente afetam as superfícies do flexor das extremidades. Escoriações podem não estar visíveis, apesar do fato de que as lesões dão uma sensação de irritação, pois doem quando o paciente coça.
O exame cuidadoso da superfície das pápulas da pele revela uma fina rede em forma de laço de linhas brancas (estrias de Wickham). Outros locais de envolvimento extra-oral incluem a glande peniana, a mucosa vulvar e as unhas.
Existem duas formas de líquen plano: reticular e erosiva.
Líquen Plano Reticular
É muito mais comum que a forma erosiva. Apresenta-se de forma assintomática e envolve a mucosa bucal posterior bilateralmente, podendo envolver outras superfícies da mucosa oral ao mesmo tempo como o dorso a parte lateral da língua, as gengivas e o palato.
O Líquen Plano Reticular é assim chamado por causa de seu padrão característico de linhas brancas entrelaçadas, podendo se apresentar como pápulas em alguns casos. Elas não são estáticas, podendo aumentar ou diminuir seu tamanho com o tempo.
Líquen Plano Erosivo
É menos comum, mas é mais significativo para o paciente porque as lesões normalmente são sintomáticas. Clinicamente, existem áreas atróficas e eritematosas, com ulceração central em vários graus, com sua periferia cercada por finas estrias radiantes, comumente na mucosa gengival.
Neville 1998, cita que se o componente erosivo for grave, poderá ocorrer separação epitelial que resulta em uma apresentação relativamente rara do líquen plano bolhoso.

FISIOPATOLOGIA
O líquen plano não tem cura (Sonis 1995), nem causa definida. Há suspeitas de que seja provocadas por estresse causando uma queda da imunidade no corpo. Os pacientes apresentam desconfortos como coceira, ardência, queimação e dor.
Sonis, 1995, cita ainda que o líquen plano pode aparecer na mucosa bucal, gengiva, língua, mãos, superfície flexora dos braços e ante-braço, abdômen, região lombar, púbis, genitálias, tornozelos, unhas, pé e couro cabeludo. Na maioria dos casos, as lesões distribuem-se bilateralmente e, frequentemente, simétricas.
O exame histopatológico mostra a presença de hiperqueratose e infiltrado inflamatório no tecido conjuntivo imediatamente abaixo do epitélio; as camadas mais profundas do tecido conjuntivo estão livres de inflamação. O dado histológico mais característico é a degeneração da camada basal.
As lesões em pele consistem em bolsinhas de cor avermelhadas entrelaçadas em branco. Na boca, são lesões do tipo papulosas (elevações eruptivas circunscrita na pele, comumente de pequena dimensão e sem líquido no interior), com contornos poligonais e uma coloração mesclada de violeta e estrias branca (foto).

FOTO

Na gengiva a coloração é violeta e é de forma erosiva (foto).

FOTO

Podemos ressaltar ainda que a doença não é contagiosa e não se adquire no ar, no beijo, em uso coletivo de copos e toalhas. Ainda não há cura para a doença, mas com o tratamento com acupuntura, diminui bastante os sintomas.

TRATAMENTO MEDICAMENTOSO
No caso do líquen plano reticular, como não há sintomas, é administrado um medicamento de ação antifúngica e reavaliação anual das lesões reticulares na mucosa bucal.
Já o líquen plano erosivo é mais trabalhoso devido os ferimentos abertos na boca. Como é associado a baixa de imunidade, é administrado um corticosteróide sistêmico, ou o uso tópico de gel de fluocinonida, aplicado várias vezes ao dia nas áreas mais sintomáticas. Deve ser monitorada também a presença de candidíase iatrogênica associada ao uso de corticosteróides. Neville, 1998, sugere que pacientes com essa patologia deve fazer avaliações de 3×3 meses para um maior controle e eficácia no tratamento, evitando reincidivas.
Outros medicamentos usados no tratamento são:
Clorpropamina, Tolazamida, Hidroxiuréia, Alfametildopa, Carbamezepina, Fenitoína

MATERIAIS E MÉTODOS
Primeiramente, foi colocado um anuncio no jornal local de Mogi Mirim selecionando pessoas que possuíam essa doença.
Foram estudadas 37 pessoas (28 mulheres e 9 homens) com idade entre 41 e 62 anos, todos caucasianos e com lesões bucais. Além da boca, todos tinham associados a genitália com essa patologia.
Retirou-se todos os medicamentos que essas pessoas estavam tomando para o tratamento do líquen plano somente com acupuntura auricular.
Para a aplicação de Acupuntura Auricular foi utilizado sementes de mostarda, agulhas auriculares de 1,8mm, 2,0mm e 2,5mm.

FOTO

Primeiramente, os pacientes passaram por uma entrevista onde estava sendo feito a triagem. Todas as pessoas tinham que ter Líquen Plano na mucosa bucal e na genitália também (pré-requisito). Outras pessoas apresentavam em várias partes do corpo, ou no corpo todo.
As pessoas selecionadas passaram por uma avaliação da mucosa bucal (realizada por um Cirurgião Dentista) e do corpo (realizada pelo Fisioterapeuta).
As sessões de Acupuntura Auricular foram realizadas de 7×7 dias com agulhas esterilizadas e descartáveis. A cada retorno os pacientes relatavam melhora ou não dos sintomas apresentados e posteriormente eram submetidos a exames de rotina. Exames esses que servem para constatar se os sintomas realmente estão diminuindo ou não.

TRATAMENTO ALTERNATIVO
Foram punturados aproximadamente 15 pontos em cada pessoa, variando com o histórico de cada um.
Os pontos auriculares que eram em comum para todos os pacientes são:
Shen Men, Coração, Pulmão, Boca, Genitália, Sangria Ápice, Estomago, Hipotálamo, Rim e Bexiga.
Primeiramente foi retirado da dieta alimentar dessas pessoas alimentos ácidos (tomate e molhos pronto, leite, laranja, abacaxi, condimentos em pó e vinho), muito quentes (sopa e caldos), gasosos (refrigerante, cerveja, espumante, etc), frutas e legumes de coloração vermelha, carne vermelha e evitar exposição ao sol.
Foi incluído na dieta frutas e legumes (exceto as de coloração vermelha), líquido gelado (exceto suco em pó e os citados no parágrafo anterior) e sorvete de bola (proibido os picolés de fruta).
Foram retirados também todos os medicamentos de uso alopático e homeopático dos pacientes 2 meses antes de começar o tratamento com Medicina Alternativa.

RESULTADOS
2 pessoas abandonaram o tratamento antes de seu término ( 1 homem e 1 mulher).
1 pessoa já não sentia mais nenhum sintoma no 1º mês
1 pessoa no 2º mês
3 no 3º mês
4 no 6º mês
3 no 7º mês
4 no 8º mês
3 no 9º mês
6 no 10º mês
4 no 11º mês
2 no 12º mês
Apenas 4 pessoas não obtiveram cura com esse tratamento sendo 1 do sexo masculino e 3 do sexo feminino).
Foi considerado cura dos pacientes quando não tivessem mais nenhum sintoma da doença. Esses pacientes tiveram que fazer manutenção semanal (aplicação de acupuntura) de aproximadamente 12 meses para evitar reincidivas.
Observando o grupo de 37 pessoas, vimos que:
83,7 % dos pacientes tratados chegaram a obter uma eliminação de seus sintomas.
5,5% dos pacientes abandonaram o tratamento por intolerância as agulhas.
10,8% dos pacientes não obtiveram melhora (N.O.M.) ao decorrer de 24 meses de tratamento.


CONSIDERAÇÕES FINAIS
Ao contrário da medicina tradicional alopática, que é a base de remédios químicos, a medicina tradicional chinesa não obtém resultados rápidos. Mas foi comprovado que ao manter o tratamento, esses pacientes aprenderam a ter uma vida regrada na alimentação e no controle do estresse, pois esses são os maiores causadores do Líquen Plano.
Após ter obtido a alta do tratamento, os 31 pacientes voltaram ao consultório para check-up de rotina e apenas 7 pessoas obtiveram reincidiva por motivo de estresse e perda de um ente querido na família.
Podemos concluir que a Acupuntura Auricular juntamente com a Filosofia Chinesa é uma forma de tratamento eficaz para a cura do Líquen Plano.Pretendeu-se com o presente trabalho, apenas dar uma idéia do que é e ainda pode vir a ser a Acupuntura para o Cirurgião Dentista e para os médicos. Longe de esgotar o assunto, pelo contrário, deixou-se de lado diversas outras moléstias que podem ser tratadas por esta técnica, com um resultado bastante satisfatório.
As diversas teorias e métodos da Medicina Tradicional Chinesa, deixou de ser abordados por seu caráter bastante filosófico, fundados principalmente no Taoísmo, fugindo, destarte, do objetivo do trabalho.
Fisioterapia associada com a Acupuntura é mais um artifício que o fisioterapeuta pode oferecer aos seus pacientes.
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

AUTEROCHE, B. & AUTEROCHE, M. Guia Prático de Acupuntura e Moxibustão, Ed. Andrei, São Paulo, 1996.

BORAKS, Silvio, Diagnóstico Bucal, Ed. Artes Médicas, São Paulo, 1999, pg 132 e 133.

CASTRO, S. B., Anatomia Fundamental. 2ª ed., Ed. Mc Graw Hill do Brasil, 1976.

CHAITOW, L. O., Tratamento da Moxibustão pela Acupuntura, Ed. Manole, São Paulo, 1984.

GERMANO, S. & AZOUBEL, M. L. Apostila de Anatomia e Fisiologia Humana. 3ª ed., São Paulo, 1990.

LEITÃO, Araújo. & LEITÃO, Valéria de Araújo. Clínica de Reabilitação, Atheneu Ed., São Paulo, 1980, pg. 179-195.

NEVES, B. A. Tratado Popular de Moxabustão: A Medicina Natural Chinesa, Ed, Ícone, São Paulo, 1994.

NEVILLE, D. A. B., Patologia Oral & Maxilofacial, Ed Guanabara Koogan, Rio de Janeiro, 1998, pg 559-563.

ROSS, Jeremy, Combinações dos Pontos de Acupuntura, Ed. Roca, São Paulo, 2003.

SONIS, S.T., FAZIO, R.C. & Fang, L., Medicina Oral, Ed. Guanabara Koogan, Rio de Janeiro, 1996, pg 319 e 320.

SOUCHARD, P. E. Esculpindo seu Corpo: Autoposturas de Endireitamento, Editora Manole, São Paulo, 1992.

WEN, Tom Sintam. Acupuntura Clássica Chinesa, Editora Cultrix, São Paulo, 1985.

YAMAMOTO, Celso. Ventosaterapia: a arte de manipular o Tao (apostila).

YAMAMURA, Ysao. Acupuntura Tradicional: a arte de inserir, Ed. Roca, São Paulo, 1993.

ZUMSTEIN, Adriano. Apostila Apoio para Ambulatório – módulo 27, Ribeirão Preto (apostila do Curso de Acupuntura – Medicina Tradicional Chinesa, IBRAM), 2002.

ZUMSTEIN, Adriano. Auricular, Ribeirão Preto (apostila do curso de Auriculoterapia , IBRAM), 2002.

ZUMSTEIN, Adriano. Fisiologia Chinesa – As Energias (módulo 3), Meridiano VG (módulo 4), Meridiano VC (módulo 5), Ribeirão Preto (apostila do Curso de Acupuntura – Medicina Tradicional Chinesa, IBRAM), 2001.

ZUMSTEIN, Adriano. Meridiano do Coração, Intestino Delgado, Bexiga e Rim – aula 6, Ribeirão Preto (apostila do Curso de Acupuntura – Medicina Tradicional Chinesa, IBRAM),2001.

ZUMSTEIN, Adriano. O Manejo da Energia / Possibilidades de Tratamento / O Paciente – aulas 3 e 4, Ribeirão Preto (apostila do Curso de Acupuntura – Medicina Tradicional Chinesa, IBRAM), 2002.

ZUMSTEIN, Adriano. Acupuntura Auricular, Ribeirão Preto (apostila do curso de Auriculoterapia – IBRAM), 2002.

Se desejar, use os botões abaixo para compartilhar.

19 comentários em “A ACUPUNTURA NO TRATAMENTO DO LÍQUEN PLANO”

  1. liliane silva de oliveira almeida

    É muito dificil conviver com liquem plano,pois temos que o tempo todo vigiar,na questao de fortes emocoes,tristezas,preocupacoes e ate mesmo momentos felizes,em mim tudo isto causa muita coceira,queda de pressao…tenho buscado forças em Deus,nos momentos de comunhao com a família,e ouvir louvores a Deus também me alegra bastante,e acalma o meu ser…que a paz do senhor visite a todos nesta noite…..liliane silva

  2. Marcia Reginato Olviedo

    Marcia Olviedo eu tenho liquen plano pilar e estou há 3 meses em tratamento, não consegui revisar meus hábitos, mas estou mais consciente de me mater calma…tenho me sentido melhor embora ainda veja queda de fios pequenos..nao estava fazendo o tramento auricular, agora vou buscar esse tratamento…pelo que vi ele é que indicado para o liquen plano…vou seguir informando.

    Marcia Olviedo

  3. Maria Marta Botelho de Almeida Campos

    Fui diagnosticada com linquem plano pilar e estou em tratamento a base de corticoides desde junho de 2015 e no inicio desde ano havia conseguido uma melhora’ entretanto tive uma recaida e estou novamente com o corpo encarocado e perdendo cabelos! Já tenho grandes cicatrizes no topo da cabeça, agora estou fazendo um tratamento homeopàtico.

  4. Claudia Vitor

    tenho liquen plano ha quase dois anos todos os tipos faço auto hemoterapia melhorou muito ja tem lugar na barriga que esta sumindo so que parei por 3 semanas e esta voltando as coceiras e ardor com grande força vou voltar com ahemo imediatamente e agora vou tentar acunputura meu telefone e 011 36088230

  5. Dora Maria Weber Lima

    Tenho liquen plano na boca e muita dificuldade para me alimentar. Emagreci 5 kilos em um ano. Não sei o que devo comer para manter meu peso. Estou me tratando com acupuntura e bochechos com nistatina. Nos lábios uso Bepantol.

  6. Francisco Clayton Ferreira. das Chagas

    Bom! Tenho linquem plano de pele e virilia, desde abril/2016. Venho me tratando com medicamentos, estaminico (comprimidos – lotadina) e homeopáticos – (gel – globetasol), além de passar creme hidratantes, coça bastante se eu não tomar ou passar os remédios. Tendo em vista as manchas acentuadas nas pernas e pés.
    Pelo o artigo apresentado e estudos feitos, é aconselhado fazer acupuntura nesses casos?

  7. Sônia Couto

    Olá meu nome Sônia Couto,faz oito meses fui diagnosticada com liquem plano nas aquixilas e virilha,já usei pomada de corticóides mas não resolveu,alguém poderia mim ajudar por favor?

  8. Ilza da costa silva

    Alô,sou ilza eu também tenho essa doença maldita, o meu cocorpo arde muito e espeta e a minha espeta muito .me ajudem por favor.

  9. Lúcia Siuta

    Minha mãe tem liquem plano oral , eu já não sei mais o que fazer pois foi para a garganta e ela não está podendo engolir alimentos, por favor se alguém souber de algum tratamento eficiente ajude-me.

  10. Eu tenho líquen plano capilar, tomo Hidroquinona 400mg e passo a pomada Tarfic 0,1% diariamente nas áreas afetadas. Não estou curada, mas me ajudou bastante.

  11. Teresinha V, Marcheori

    Me nome é Teresinha sou e moro em Campinas-SP, tenho 56 anos.
    Tudo começou em 2006, como uma picada de pernilongo na parte interna acima do pulso até fazer a biopsia foi se espalhado pelas costas e barriga. Fui na dermatologista e ela deu umas pomadas tratando como se fosse uma dermatite,tive que voltar duas vezes depois de ter tentado os medicamentos, e ela resolveu pedir uma biopsia, foi assim que descobri que tinha líquen plano.A medica me passou um tratamento com meticortem 20 mg, não resolveu, ela passou outro deflazacorte 30mg deu resultado com o tempo foi sumindo as manchas, ficou tudo bem, até maio ou junho de 2018, quando começou a dar a lesão na região genital, pensei que fosse herpes não liguei mais ficou um bom tempo a lesão(meses)foi quando começou um bolinha no pulso quase na mesma região como no começo. Agora passei várias pomadas com corticóide e tomei histamina não resolveu e começei a tomar deflazacorte estou no final e ainda está coçando e melhorou pouco. Não sei oque fazer.

  12. Tânia Ribeiro

    Bom dia, tenho líquen plano oral há dez anos e agora fui diagnosticada com líquen plano pilar no couro cabeludo. Diagnosticos através de biopsias. É muito desconforto a coceira no couro cabeludo e a sensibilidade na mucosa oral. Anseio por soluções médicas para esta doença.

  13. Elisa Martins

    Boa tarde, eu tenho líquen plano oral e já tentei de tudo sem resultados. Vou na próxima semana falar com uma terapêutica de acupunctura. Vou dando noticias.

  14. Bom dia. Sou acupunturista e vou iniciar na próxima semana tratamento em uma paciente.
    Espero obter resultados satisfatórios.
    Sou de Curitiba, se alguém mais se interessar no tratamento, por ser experimental, vou cobrar somente os custos de aplicação.
    Meu wats é 41-984084703

    1. Olá Pessoal, além deste canal a revista tem uma sala de bate-papo exclusiva para fisioterapeutas trocarem informações seja por texto, seja por voz, além de arquivos, artigos e muito mais. Se você também precisar fazer uma reunião com sua equipe, temos salas apara até 99 pessoas simultâneas inteiramente grátis. Conheça nossa plataforma em: bit.ly/fisio-discord

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.